Just in Time: o que é e como pode reduzir os custos na sua empresa?

29 abr, 2021 | Gestão Logística | 0 Comentários

longa industrial - logo

Por Longa Industrial

Desde 1964, desenvolvendo soluções em Sistemas de Armazenagem Logística, para empresas de todos o segmentos.

O conceito básico da logística é entregar o produto certo, no momento certo, no local combinado e ao menor preço possível. No entanto, conseguir aliar todos esses fatores é um grande desafio e uma metodologia que tem sido aplicada com grande êxito nesse quesito é o Just in Time.

O principal problema está em conseguir aliar a demanda com o estoque e prazo de entrega, sem onerar o preço final. Para conseguir entregas rápidas a estratégia comumente adotada é aumentar o estoque, o que aumenta os custos de armazenagem. São nesses fatores que o Just in Time atua.

Você conhece essa metodologia? Sabe como ela pode ajudar a sua empresa a reduzir custos na cadeia produtiva? Para ajudar você, além de responder a essas perguntas mostraremos como implementar e os impactos financeiros de sua aplicação na empresa. Confira!

O que é Just in Time?

Em tradução livre, o termo Just in Time significa “no tempo certo”. Na prática, trata-se de um sistema de administração da produção. Como o seu nome sugere, o seu método consiste em comprar, produzir, movimentar, armazenar e distribuir apenas no momento necessário.

Ao aplicá-lo, a organização deixa de realizar uma produção empurrada (quando a demanda é empurrada de forma forçosa ao cliente) e passa a praticar a produção puxada (quando a produção é realizada depois do pedido do cliente).

Com a prática, busca-se reduzir o nível de estoque ao menor patamar possível, melhorar os processos produtivos, aumentar a flexibilidade e tempo de resposta, além de conseguir ser mais veloz nas entregas e reduzir custos.

Como surgiu o Just in Time?

O sistema e filosofia do Just in Time são de origem japonesa, sendo a Toyota a sua desenvolvedora. Em virtude disso, até hoje o método também é conhecido como Sistema Toyota de Produção.

Ela surgiu nos anos 1950, logo após o pós-guerra — momento em que o país precisava aumentar a sua competitividade, mas não tinha recursos para investimento. Era preciso criar um meio de que gerasse flexibilidade para fabricar diferentes modelos, em pouca quantidade e com baixo custo.

Com o seu aperfeiçoamento, logo as fabricantes japonesas começaram a ganhar destaque e se tornaram muito mais eficientes e competitivas que as concorrentes. Além do baixo custo, o nível de qualidade era excelente e a entrega extremamente rápida.

Com o seu amplo sucesso, logo o método foi, e continua sendo, aplicado em praticamente toda fabricante de veículos, além de ser aproveitado pelos mais diversos segmentos produtivos.

Como ele ajuda a economizar na cadeia produtiva?

O principal pilar do Just in Time é a redução do desperdício. De acordo com o sistema, existem sete tipos de desperdícios, que ao serem eliminados ou reduzidos, geram grande economia. Conheça cada um deles adiante.

1. Defeito

É quando os produtos são produzidos fora das especificações. Esse problema gera retrabalho para correção ou até a perda total do produto, além do tempo e energia empregados para o devido descarte do material.

Ao focar na qualidade e fazer correto já na primeira vez, a empresa aumenta o valor percebido do produto (fator básico para satisfazer os clientes), aumenta a produtividade da equipe e reduz custos com itens defeituosos.

2. Superprodução

A superprodução é simplesmente produzir mais (em quantidade ou velocidade) do que é necessário. Isso acontece por diversos motivos, como:

  • atingir a meta de produção ou vendas;
  • eliminar a ociosidade dos equipamentos;
  • falta de planejamento.

Ao eliminar a superprodução, o primeiro ganho está na redução dos níveis de estoque e a redução de custo da armazenagem (um dos principais custos logísticos). Outros benefícios são o fim de itens obsoletos, produtos vencidos e falta de espaço físico.

3. Tempo de espera

A espera se dá quando pessoas ou máquinas ficam ociosas. Isso pode ocorrer quando um motorista fica esperando para encostar na doca ou quando uma máquina está em manutenção e o colaborador fica aguardando.

Eliminar esse desperdício ajuda a economizar na cadeia produtiva porque precisa de processos simples e objetivos, além de ter equipamentos com baixo tempo de setup e equipe treinada.

4. Transporte

É qualquer movimento desnecessário de um recurso, seja de equipamentos, ferramentas ou pessoas. Eles acontecem, por exemplo, quando uma entrega é realizada na hora, em quantidade ou local errados.

Eliminar erros de transporte ajuda a empresa a economizar com multas por no-show, devoluções e frete.

5. Movimentação

Acontece quando o layout do armazém força os colaboradores a fazer mais movimentos que o necessário, como procurar, abaixar ou subir. Esse problema pode ser contornado ajustando a disposição de equipamentos, produtos e do fluxo de movimentação.

6. Processamento inadequado

Realizar tarefas que não agregam valor algum, o que inclui:

  • mudanças frequentes no produto sem necessidade,
  • excesso de qualidade;
  • falta ou falha nas instruções de trabalho.

Ao eliminar o que não agrega valor a empresa aumenta o seu foco, reduzindo custos e aumentando a sua produtividade.

7. Estoque

Esse desperdício está ligado com a superprodução, que é uma de suas principais causas. Mas outros fatores podem contribuir para o problema, como o desiquilíbrio da linha, o alto tempo de lead time e a quantidade de trabalhos em processo.

Ao reduzir o número de trabalhos em processo, é possível entregar uma quantidade maior de itens finalizados e aumentar o giro de estoque.

Como implementar essa metodologia?

Como você pôde notar até o momento, colocar em prática o Just in Time trará um grande diferencial competitivo para a sua empresa. Mas como fazer isso? Veja abaixo o passo a passo para que você implemente essa filosofia com sucesso:

  • reveja todo o seu processo produtivo;
  • treine exaustivamente a sua equipe;
  • ajuste os processos com os fornecedores;
  • eduque os clientes;
  • alinhe com as outras áreas da empresa a nova filosofia;
  • faça as parametrizações dos sistemas;
  • inicie o teste com poucos fornecedores (os mais confiáveis e abertos);
  • verifique os erros, crie um plano de ação e execute os ajustes;
  • amplie gradativamente a metodologia até se tornar o padrão.

Quais os impactos financeiros para a empresa?

Ao aplicar o Just in Time as empresas têm um grande impacto financeiro positivo. A principal vantagem é que a produção puxada aumenta o giro do estoque, o que melhora o fluxo de caixa.

Além disso, o custo de armazenagem é drasticamente reduzido, o que possibilita uma redução de espaço ou o não investimento em ampliação.

O Just in Time causou uma grande evolução na indústria e foi a precursora das metologias Lean. Aplique em sua empresa e melhore o seu relacionamento com os fornecedores, gere produtos de alta qualidade e surpreenda o seu cliente com preços competitivos, flexibilidade e velocidade na entrega. Gostou de conhecer o Just in Time e quer continuar lendo sobre o assunto? Descubra agora mais 8 dicas para uma boa gestão de custos logísticos.

Conteúdos Relacionados

Como o Benchmarking Logístico pode te diferenciar dos concorrentes

Como o Benchmarking Logístico pode te diferenciar dos concorrentes

O benchmarking logístico é uma atividade que deve estar no topo da lista de ações estratégicas, para as empresas que querem competir e se diferenciar pelo aperfeiçoamento dos processos logísticos. Por meio dos exercícios de administração é possível não só otimizar os...

Como se tornar um gerente de logística mais eficiente?

Como se tornar um gerente de logística mais eficiente?

Liderar uma equipe para manter o fluxo da cadeia de suprimentos, montar um planejamento eficaz, conhecer a variedade de processos da área são uma das tarefas mais importantes do gerente de logística. O setor que se tornou um dos setores mais...

Share This